A Medicina Chinesa e a Dor

A Medicina Chinesa, onde está englobada a Acupunctura, é encarada como as restantes patologias, pelo seu prisma energético e é tratada precisamente por esse prisma. A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece e recomenda a Acupunctura como tendo as maiores vantagens no tratamento de qualquer tipo de dor.

As dores mais comuns são as lombalgias, cefaleias e as osteo-musculares, qualquer destes tipos de dor são abordados pela Medicina Chinesa através do diagnóstico energético, tratando-se a origem da dor, ao mesmo tempo que esta é aliviada, de forma a que haja de facto uma cura da patologia na medida do fisicamente possível.

O tratamento é feito em sessões de Acupunctura semanais, durante um período de tempo que pode variar conforme cada caso e cada patologia. Normalmente acompanha-se a Acupunctura com Fitoterapia (plantas medicinais chinesas), para se obter um resultado mais eficaz. Podem ser ainda utilizadas outras disciplinas da Medicina Chinesa, como é o caso da moxibustão ou das ventosas. A moxibustão é o aquecimento dos pontos utilizados na Acupunctura com um cachimbo próprio para o efeito. Os pontos de Acupunctura encontram-se ao longo de meridianos onde transita a energia no corpo e são picados com agulhas filiformes para que se estimule ou disperse essa mesma energia, sendo esse o processo de tratamento da Acupunctura.
No entanto, a conduta terapêutica para as algias é conforme à origem dessa mesma dor. Em Medicina Chinesa a dor tem múltiplas etiologias, e o que importa é não só eliminar a dor como tratar a sua origem para que a dor, que é um sintoma, não volte a aparecer.

As dores de cabeça são frequentemente menosprezadas pelas pessoas, que teimam que têm a dor de cabeça mas que simplesmente esperem que esta passe. A cefaleia não deve ser ignorada porque, tal como todas as dores, é um sistema de alarme do nosso organismo que está a disparar e a avisar para algo que está errado.
Normalmente só quando a dor de cabeça se transforma em enxaqueca é que as pessoas procuram tratamento, e a Medicina Chinesa tem de facto ajudado muitas pessoas com este problema, que pode ter origens diversas e por isso não há um tratamento padronizado.

As dores lombares são também causa para procurar a Acupunctura, contudo é outro tipo de dor para o qual as pessoas estão habituadas a “deixar andar” e aguentar. O tratamento da Medicina Chinesa passa sobretudo pela Acupunctura, havendo casos em que determinado tipo de exercícios, como a massagem ou ginástica energéticas (respetivamente Tui Na e Qi Gong) ou a natação, beneficiam a terapêutica. A Fitoterapia é associada na medida em que auxiliam a recuperação e trata a causa energética profunda da dor.

As dores de ouvidos podem ser aliviadas, o seu tratamento é comumente associado às otites, mas há outras patologias relacionadas com os ouvidos em que a Medicina Chinesa também tem um grande sucesso, como é o caso dos zumbidos.

Nos problemas relacionados com dentes a Medicina Chinesa é frequentemente utilizada para eliminação da dor, há mesmo situações em que é preferível fazer-se uma analgesia por Acupunctura para tratamentos odontológicos e a procura é elevada. Os resultados são bons no alívio da dor de dentes, mas a cura da origem dessa dor já é algo que poderá ter mesmo de passar pela medicina convencional, muitas vezes com a remoção ou desvitalização de dentes.

As dores de origem osteo-musculares surgem muito no consultório de Medicina Chinesa pois os resultados são reconhecidos amplamente. Os desportistas, os idosos, as vítimas de lesões, são muitas vezes aconselhados pela própria medicina convencional a procurar a Acupunctura para eliminar a dor. O facto da OMS recomendar a Acupunctura para este tipo de patologia aumenta a procura.

As dores de origem nervosa têm também uma atenção muito especial por parte da Medicina Chinesa que tem bons resultados não só a eliminar a dor como, ao mesmo tempo, a tratar a causa da dor.

Nas cólicas a Fitoterapia ganha um papel relevante na cura, enquanto a Acupunctura mantém um papel fundamentalmente de alívio da dor na crise.

As dores derivadas de problemas cancerígenas, sejam elas devidas ao cancro ou a quimioterapia e radioterapia, são aliviadas pela Acupunctura. Toda a dor deste tipo, bem como os restantes efeitos secundários dos métodos terapêuticos usados pela medicina convencional para o cancro, como as náuseas e vómitos, a perda de cabelo, a fraqueza… são aliviadas pela Acupunctura. Daí que a Medicina Chinesa seja recomendada para aumentar a qualidade de vida destes pacientes.

As dores menstruais e restante sintomatologia de que muitas mulheres se queixam e que normalmente é conhecida como síndroma pré-menstrual são tratadas pela Medicina Chinesa pela Acupunctura e Fitoterapia, podendo ser resolvidas de forma definitiva, mas também tendo particular alívio imediato das dores quando em situação crítica.

A Acupunctura, bem como a Fitoterapia, são as duas disciplinas da Medicina Chinesa mais utilizadas e que obtêm os resultados mais rápidos e eficazes no tratamento da dor. Uma das grandes vantagens é o seu reconhecido efeito, mas sobretudo há que ter em conta que com o uso da Medicina Chinesa não se está a ter o prejuízo para o corpo de utilizar produtos químicos que só retiram a dor como os anti-inflamatórios, por exemplo, que não tratam a origem da doença, eliminando apenas o sintoma. Por outro lado, a Medicina Chinesa não tem efeitos secundários e pode ser utilizada paralelamente com a medicina convencional sem que haja perigo de interações medicamentosas.

Dr. Pedro Choy